sábado, 7 de abril de 2012

Casamento

Parece que está na moda as pessoas serem contra o casamento e unicamente a favor da união de facto. E ainda por cima defendem que as uniões de facto deveriam ter os mesmos direitos que um casamento.

Acho que cada um sabe se vale a pena casar ou não. Para  mim casamento não é apenas um papel passado, como muita boa gente se justifica ou tenta argumentar. O casamento para mim é uma afirmação de sentimentos. Muitas pessoas podem alegar que a demonstração de sentimentos não passa obrigatoriamente pelo casamento, todas as manifestações de amor, mesmo a mais simples (como oferecer uma única rosa) são válidas e deveras importante. Ainda assim, acho que a formalização da união é uma afirmação de sentimentos e de vontade em concretizar um projecto de vida em comum.

No meu caso, não sei se algum dia vou casar (não é algo que dependa única e exclusivamente de mim). De momento, estou muito bem a morar em part time na casa do namorado. A intenção é juntar os trapos no mesmo partamento, mas tudo a seu tempo.
Não desdosto da idéia do casamento. Mas confesso que casamento tradicional com um mega vestido de noiva e boda para duzentos convidados, ao mais puro estilo "para inglês ver", não condiz nada com o meu perfil e a minha visão de união entre dois seres. Acho absurdo o balúrdio que se paga por um dia de mega festa. 
Sendo um acto intimista entre duas pessoas que se amam, a minha idéia de celebração é bem mais intimista - os noivos, claro, e familiares e amigos mais próximos. Sem stress, sem pressões e com muito amor.
 Com efeito, não gosto da idéia de ter de convidar fulanos e sicranos porque fica bem ou porque são familiares (ainda que bastantes afastados e já não falamos com eles há sei lá, quinhentos anos?!...)

São idéias e devaneios...



1 comentário: